Cultura

“Queria me distanciar de mim mesma”, diz Carolina Ferraz sobre viver travesti

Atriz conta que foi extremamente difícil conseguir apoio para fazer o filme, protagonizado por uma travesti. “Ouvi de executivo para não fazer isso, já que tinha uma reputação tão boa”. Leia a entrevista com Carolina Ferraz“O universo do ator é sempre maior, infinitamente maior do que o universo do personagem”, a frase é de Christian Duurvoort, preparador de elenco que trabalhou com Carolina Ferraz durante a preparação dela para viver a travesti Glória em “A Glória e a Graça”, novidade nos cinemas neste fim de março. “Essa é uma verdade que vou carregar para todos os meus trabalhos futuros”, diz a atriz.Carolina Ferraz como Glória em “A Glória e a Graça”Foto: DivulgaçãoSob muitos aspectos, “A Glória e a Graça” pode ser percebido como o projeto da vida de Carolina Ferraz. A atriz não usa essa definição, mas sua dedicação a ele – foram dez anos para tirar do papel – e a maneira apaixonada com que o aborda são indicativos mais do que suficientes.O filme marca a primeira aventura de Ferraz como produtora. “O tempo normal de realização de um filme no Brasil é de cinco, seis anos. Já é muito tempo”, observa. “Eu realmente, talvez pelo tema, sofri um pouquinho mais. Não foi fácil não”, conta ao contextualizar o longo tempo para tirar o projeto do papel. “A Glória e a Graça” foi financiado por meio das leis de incentivo à cultura e teve o apoio de duas empresas privadas, a Globo Filmes e o Canal Brasil que são coprodutores.“A gente ia aos lugares e ninguém queria dar dinheiro para um filme em que a personagem principal era uma travesti. Ninguém, ninguém, literalmente ninguém”, conta Ferraz. Até comento que cheguei a ouvir de alguns executivos ‘puxa Carolina, você é uma mulher tão bonita, tem uma carreira tão bacana, uma reputação tão boa. Não faz isso não. Vai te dar problema’”.Criando Glória “Eu acho que um ator é a sucessão de papeis que ele consegue interpretar. Não necessariamente dos papeis que ele tem competência para interpreta”, filosofa quando indagada a respeito de vermos uma Carolina Ferraz totalmente diferente no filme de Flavio Ramos Tambellini. “Eu acho que por uma questão de estereótipo eu passei minha vida toda interpretando mulheres ricas e sofisticadas. Tive poucas exceções na televisão e acho que isso acabou me rotulando. Mas o meu trabalho como artista, como atriz é me libertar disso tudo e mostrar que eu posso e quero fazer qualquer coisa”.Carolina sabe que tem em mãos um grande papel, mas sabe que assumiu uma grande responsabilidade ao se engajar nele. “Tenho profundidade cênica de interpretação para poder fazer essas coisas e estou querendo correr riscos, né?”, justifica. Para ela, o ator não pode se levar a sério demais. “Se eu me levasse muito a sério, talvez não fizesse essa personagem”, divaga pouco antes de concluir com convicção: “mas estou louca por desafios. Louca para me distanciar de mim mesma”.E Glória era o desafio perfeito, mas era preciso fazê-la do jeito certo. “Me sinto muito acolhida intelectualmente pelo Flávio. É um diretor que trabalha sem se sentir agredido”, diz sobre Tambellini que sempre recebeu suas colocações como atriz com generosidade. Sua maior preocupação era criar uma “personagem humana. Eu não queria fazer algo estereotipado”. Ferraz conta que conversou com mais de 60 travestis entre Rio e São Paulo para filtrar a vivência, as histórias delas para encontrar Glória. Essa pesquisa foi estremecida pelas incertezas que rondavam o projeto. “Eu comecei a ficar inquieta: ‘tô envolvida demais e nem sei se esse projeto vai acontecer’ Eu só fui retomar mesmo dois meses antes da gente começar a rodar”.Carolina Ferraz e Sandra Corveloni estão exuberantes em A Glória e a GraçaFoto: DivulgaçãoA atriz usa uma prótese dentária para ter uma embocadura mais masculina. “Eu queria ter mais gengiva. Deu certa estranheza”, recorda. A Glória nasceu, no gestual e na fisicalidade ali, “quando eu me montei”, mas Carolina já a confeccionava com carinho e zelo há muito tempo.AfetoCinéfila, gosta de recomendar filmes a seus seguidores nas redes sociais e expressar sua admiração por artistas, Carolina Ferraz reconhece que fez menos cinema do que gostaria por uma série de diferentes, mas complementares razões. “O cinema é um ambiente muito restrito. Você observa que atores que geralmente fazem cinema, fazem muito cinema. É difícil fazer esse breakthrough”. “A Glória e a Graça” tem todo o potencial para representar esse momento.“Eu quero isso. Correr riscos e nada melhor do que o cinema para correr riscos. Hoje eu sinto que estou no meu melhor momento como intérprete. Me sinto de uma maneira muito mais completa, muito mais profunda do que estava há 20 anos”, avalia. E a atuação como produtora pode servir aos propósitos da Carolina Ferraz atriz. Parte desse raciocínio já pode ser empregado mesmo em “A Glória e a Graça”. “O protagonismo do filme não é a questão do transgênero, o protagonismo é o resgate, o amor, são as segundas oportunidades. O fato de estar interpretando uma travesti só engrandeceu”, resume com extrema assertividade.Cena do filme “A Glória e a Graça”Foto: DivulgaçãoEsse afeto é estendido às parceiras de cena, Sandra Corveloni e Carol Marra. A primeira, uma “deusa da interpretação, uma atriz de grandeza inquestionável” e a segunda, uma legítima “mocinha de novela das 21h”. Para Ferraz, o fato de Marra não ser aventada para tal papel é mais uma prova desse preconceito velado que impera no Brasil. “Acho que somos um pouco iludidos de não reconhecermos o preconceito em nós mesmos. Até porque não há educação para o povo e o preconceito prospera”, teoriza.Com extrema generosidade, Carolina Ferraz se defende de eventuais críticas sobre viver uma travesti no cinema. “Eu entendo você pertencer a um grupo e não conseguir espaço para se retratar. É uma violência muito grande. Eu posso até ser criticada por ser uma atriz cis e estar fazendo uma travesti. Eu peço desculpas e peço licença porque estou há quase dez anos lutando por essa mulher, me apaixonei por ela, pela humanidade dela, e o fato dela ser uma travesti só torna tudo mais maravilhoso ainda”. “Eu poderia ter lutado dez anos para contar outra história, não foi o caso”.

More Cultura

Robert Downey Jr. protagoniza novo filme sobre Doutor Dolittle

Robert Downey Jr., o famoso ‘Homem de Ferro’, se colocará na pele do Doutor Dolittle, o médico capaz de falar com os animais. Ele irá atuar em um remake da série de filmes que ficou famosa com Eddie Murphy. As informações são do The Hollywood Reporter.Após anos, esse será o primeiro papel de Downey Jr. fora do universo cinematográfico da Marvel, no qual o ator interpreta Tony Stark. O estúdio Universal será o responsável por The Voyage of Doctor Dolittle, dirigido por Stephen Gaghan a partir de um roteiro baseado em uma história de Tom Shepherd.O personagem do médico foi criado em 1920 pelo escritor Hugh Lofting para uma série de livros infantis. A primeira versão para o cinema foi feita em 1967. O musical Doctor Dolittle ganhou o Oscar de melhor canção e de melhores efeitos especiais.A adaptação mais popular, no entanto, foi comandada por Eddie Murphy em 1998. Doutor Dolittle arrecadou quase 300 milhões de dólares nas bilheterias de todo o mundo, de acordo com o site especializado Box Office Mojo.Antes de se transformar no médico que fala com animais, Downey Jr. participará como o Homem de Ferro em Homem-Aranha: De Volta ao Lar, filme que será estrelado por Tom Holland.(Com EFE)

Cultura Archives

Penélope Cruz fará Donatella Versace em ‘American Crime Story’
Penélope Cruz será Donatella Versace na terceira temporada de American Crime Story. A atriz colombiana terá papel de destaque no arco de episódios de 2018, que narrará o assassinato de Gianni ...
Assim como o filme, trilha sonora de ‘Trainspotting 2’ mistura o velho e o novo
Depois de 20 anos, Danny Boyle dirige a sequência do sucesso cult “Trainspotting”, que ficou marcado por sua trilha sonora arrebatadoraDe vez em quando surge um filme que marca tanto ...
Novo “A Bela e a Fera” atualiza encanto deum dos maiores clássicos da Disney
Versão em live-action resgata toda a beleza e carisma de um dos maiores acertos da história do estúdio e Emma Watson nasceu para viver BellePrimeira animação indicada ao Oscar de ...
FrançoisCluzet vive médico em crise ao descobrir câncer em “Insubstituível”
Produção francesa concorreu ao Oscar francês em 2017, mas é uma comédia dramática do tipo que Hollywood produz em larga escalaExiste certa condescendência com o cinema francês que alguns filmes, ...
King Kong retorna triunfante no divertido ‘Kong – A Ilha da Caveira’
Com locações no Vietnã, novo filme dá tratamento original à mitologia de King Kong e tem potencial para agradar novos e antigos fãsUm dos maiores monstros do cinema, King Kong ...
“Souvenir” é declaração de amor do cinema francês por Isabelle Huppert
Comédia dramática que estreia nesta quinta-feira (9) no Brasil traz atriz na pele de uma cantora que caiu em ostracismo e tenta reavivar a carreiraO cinema francês sabe tratar bem ...
Ator de ‘Harry Potter’ será o Capitão Lorca em ‘Star Trek: Discovery’
Jason Isaacs, da franquia “Harry Potter”, foi escolhido para viver o personagem na nova série do universo de “Star Trek”O ator Jason Isaacs, da franquia “Harry Potter”, interpretará o Capitão ...
“Versões de um Crime”te faz atuar na moralidade dos personagens, diz diretora
Indicada ao Oscar logo em seu 1º filme, Courtney Hunt recrutou Keanu Reeves e Renée Zellweger, que estava afastada há seis anos de Hollywood, para seu segundo longa. A cineasta ...

« Página anteriorPróxima página »